domingo, 31 de dezembro de 2017

Do ano que passou

2017!

Um ano cheio de aprendizados, de perdas, de conquistas, de novos conhecimentos, de buscas intermináveis e de auto-conhecimento.
Um ano que marcou pelo crescimento: nas condutas, no trabalho, na capoeira, nas interações, nas amizades.
Um ano intenso nas experiencias, em todas as experiências.



Que 2018 seja de pura (continuação da) transformação.




"O Fogo transforma na força da minha vontade
O Fogo transforma no brilho do meu esplendor
O Fogo transforma no calor do meu Amor.
Fogo cantar, Fogo dançar, Fogo que brilha em Mim"



{Que a Energia transformadora de Shiva se faça presente S2}

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Da compreensão

"Eu te compreendo!"
Essa frase te soa muito familiar, não é?!
Acabou que eu nunca ouvi o áudio por completo...acho que nunca cheguei nem na metade dele.
Quando você me perguntou se eu havia gostado, eu respondi que não tinha escutado todo porque ele não me tocava como tocou você...porque eu nunca me vi na situação que você se via, precisando de tanta compreensão como você precisava quando escutou esse áudio pela primeira vez.

Eu nunca pude te dizer isso ao vivo, mas eu te compreendo. Juro que te compreendo. Eu sei que parece que não. Eu sei que todas as coisas que eu te falava (e que eu ainda posso vir a te falar algum dia) provam o contrario, eu sei!!! Mas, acredita: eu te compreendo.

Lembra das visões que você me falava que tinha? Dos significados que elas tinham? De como você traduzia cada detalhe, cada simbolo?! Eu não estava lá, mas eu consigo ver cada luminária daquele lugar, cada árvore com Luz Divina e cada pedra daquele castelo onde você se encontrou com o seu "outra você" (não, não há erros de português aqui!).

Eu te compreendo porque eu cometo o mesmo erro que você. Talvez em menor proporção. Talvez com menor gravidade... Não importa! O que importa é que erramos do mesmo jeito. Caímos no mesmo erro de sempre. Andamos um tempo na linha e desandamos em algum momento. As vezes é só um tropeço, as vezes é um dia todo...as vezes até paramos de contar o tempo. Deixamos os princípios de lado. Deixamos a racionalidade de lado e vamos, apenas vamos. Não precisa de motivos reais. Não precisa de grandes coisas. Um simples desejar e já estamos lá. É tudo tão fácil, não é?
Depois a gente se arrepende, depois a gente promete que não vai errar de novo, depois a gente assume nossa falha praqueles que -não importa como- apontam o dedo em nossa direção. Depois... Sempre depois, sempre depois que a gente erra (mais uma vez!).

Eu te compreendo porque errei antes de ontem, depois de muitas semanas sem errar. E errei ontem também e hoje chutei o balde completamente.
Todas as vezes que cometo meus erros eu penso em você. Eu visualizo você cometendo os seus. Eu imagino o quanto você sofre durante e depois.

Hoje, nas minhas conversas semanais, eu falei que estava melhor; mas ainda consigo me conectar, ainda consigo sentir seus sentimentos, ainda consigo sentir muito.
Volta alguns passos! Sai do teu erro! Lembra das mãos. Lembra da energia. Se prende a ... ... ... não importa a que, só importa que seja algo bom.

Há gotas de sal em mim e o Shaman lambe, do jeito que só você deixava ele lamber.

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Dos Cristais

27 de Novembro!!!

Poderia ser o marco de mais um ciclo completo, mas este último foi interrompido.
Poderia (deveria?!) ser um ciclo pra vida toda, mas:

No meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
Tinha uma pedra
No meio do caminho tinha uma pedra

Nunca me esquecerei desse acontecimento
Na vida de minhas retinas tão fatigadas
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
Tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
No meio do caminho tinha uma pedra.

Eu precisei sair do caminho porque elas continuaram lá.
Entre tantas pedras, tão caras e sem valor, havia também os cristais. 
Eles - tão belos, tão fortes, tão marcantes e expressivos, tão cheios de significados, tão puros - permanecem cravados aqui.

Às vezes, eles ficam encobertos pela terra dos novos caminhos experimentados.
Às vezes, o vento da saudade tira essa terra e derrama água salgada por cima, deixando-os mais brilhantes e vívidos.
Às vezes, a visão panorâmica do cenário permite vê-los misturados com as pedras: temos uma explosão! 
Fumaça. Brilho. Perigo. Segurança. Certezas. Dúvidas. Entrega. Reclusão. Presença. Sumiço. Calor. Frio. Fome. Prazer. Claridade. Escuridão. Silêncio. Barulho. Preto&Cinza. Vermelho&Verde.

Cristais são sempre lindos.
Que somente eles permaneçam.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Do habitat natural

O contato!!! com a natureza, as águas, os animais, o ar, as plantas e as pessoas.
A magia do lugar, o encanto com as pedras,  com a energia, com o ritmo lento.
A água quente, o chão firme, o açaí de qualidade, o som dos pássaros.
A conversa com os hippies, com as companheiras de quarto, com os companheiros de aventura.
O olhar de encanto para cada parte que se olhava, o sorriso nos lábios por cada expressão divina encontrada, a felicidade de estar presente no momento.

A Gratidão, pelo final de semana inesquecível.

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Das formas e formas

 
~ A questão é que quando é bom, é MUITO bom 
e quando é ruim, é MUITO ruim. {F, R.}

~ Eu sei que você até que tem lidado "bem" (...)
mas é impressionante que toda vez eu sinto 
uma especie de inconformação {S, E.}

~ Porque, mesmo querendo fazer o bem,
acabou-se causando o mal.  {M, V.}

That some make it, mistake it
(Que alguns conseguem, alguns erram)
Some force and some will fake it
(Alguns forçam e alguns irão fingir)
I never meant to let you down
(Mas eu nunca quis te magoar)
Some fret it, forget it
(Alguns se preocupam, alguns esquecem)
Some ruin and some regret it
(Alguns estragam tudo e alguns se arrependem)
I never meant to let you down
(Mas eu nunca quis te magoar)
I never meant to let you
(Eu nunca quis te deixar)
I never meant to let you down
(Eu nunca quis te magoar)
I never meant
(Eu nunca quis)

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Dos espaços

Ei, vem cá, me conta como está sendo essa correria. Me conta como estão sendo esses dias de trinta e seis horas totalmente preenchidos.
Você percebe que não há mais tempo para aquilo que chamávamos de nós? Para todos os planos e ideias que tínhamos em conjunto? Para aquele descanso básico de 10 minutinhos na cama olhando pro teto (sim, eu sei que virava meia hora, uma hora e -as vezes- até a madrugada inteira)
Sim, claro, eu sei que tudo é uma questão de prioridade e que -quando a gente quer- a gente consegue se organizar pra fazer todas as coisas que queremos...mas olha esses dias de seminário, olha as coisas que abrimos mão para que pudéssemos aproveitar ao máximo os momentos que aproveitamos.
Não, claro que não foi ruim; foi MA-RA-VI-LHO-SO. Mas, consegue perceber que aquilo não somos nós em nossas rotinas?!
Não há mais espaço, percebe?

Vem cá, me conta como é passar o dia com a mente ocupada; planejando, organizando, fazendo propaganda, dirigindo de uma cidade para outra. Me conta quantos segundos leva pra você desfocar o pensamento e as emoções de nós dois e se focar novamente nos seus planos, nas suas metas, nos seus desejos mais ambiciosos.

Eu sei que você olha pra mim e pensa que minha vida é super ocupada, super cheia de atividades, de afazeres, não é?! Não, não é! Tirando as aulas que tenho a noite e a caminhada que faço depois dela, não há um só momento em que eu esteja entregue 100% ao presente. As oito horas de trabalho sempre conseguem se transformar em séculos naquele exato momento em que eu paro e penso nas coisas (nas boas e nas ruins).
Em casa, seja lendo um livro, vendo Netflix ou organizando algo, eu consigo me conectar com o passado. Lamento e ainda me culpo. Eu sei da sua gratidão e eu sou grata também.

{...}
[texto interrompido]

Lembra que, independente de qualquer coisa,
o sentimento Maior permanece. SEMPRE.

YLI

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Do (para o) além

Foram sete meses, de calendário.
pareceram sete anos
pareceram sete dias

Foi um final de semana.
pareceu perfeito

A entrega, a ausência de medo momentânea, as certezas, os olhares, os toques, os outros toques, os sorrisos.

A ausência de panos quentes, a saudade, a vontade, o reencontro, os ombros, o coração desenhado, a reconexão física.

A submissão recíproca, o presente (tão grande), as mãos dadas, os sorrisos com os olhos, o calor sentido por todos os lados, o prazer sentido várias vezes.

A água quente, o cuidado, a lentidão, a admiração, as frases especiais, a finalização de sempre.

O descanso, o calor ameno, a respiração, o abraço que não se desfaz por horas.

(O êxtase individual por meio do olhar profundo)

À Poesia.
Ao Amor.

GRATIDÃO.